EDWARD LUDWIG
por Michel Mourlet


Roma é esplêndida em muitos aspectos. Neste mês, além de seus habitantes ariscos de joelhos marrons sob vestidos chamativos, além de seus palácios de cores melão, seus contos de mil e uma fontes que recobrem com um murmúrio eterno de bosques os louros e os cedros, pode-se assistir a dois filmes inesperados, selvagens, que deixam como que arranhões de garras por onde passam. Trata-se de Paixão Sangrenta (The Fabulous Texan, 1947) e No Rastro da Bruxa Vermelha (Wake of the Red Witch, 1948), de Edward Ludwig. Nós já conhecíamos, e amamos, Sangari (Sangaree, 1953), Um Amor Proibido (Flame of the Islands, 1956), Pantera Negra (Caribbean, 1952) e, sobretudo, O Tesouro Perdido do Amazonas (Jivaro, 1954) onde um casal de deuses, Rhonda Fleming e Fernando Lamas, aproximam-se da felicidade com a fluência lenta dos barcos. Há nestes filmes heróicos uma respiração tranqüila, forte e de uma rara liberdade até mesmo dentro de crises e estrondos. A elipse devastadora e de longos silêncios amadurece o evento e tece a trama de uma duração narrativa ao mesmo tempo que de realidade bruta, onde um ao outro se complementam e se confundem. Deve-se ter visto John Carroll, com água até o meio das coxas[1], morrer como um javali após um último ataque inesperado, fatal também ao caçador. E também a agonia de John Wayne em seu escafandro cheio de água[2], enquanto o mar engole mais profundamente e pela segunda vez o navio carregado com ouro, extraordinário naufrágio sob o mar. Duas cenas que são um balanceamento do evento entre uma posição de ruptura e uma posição de equilíbrio, relojoaria sabiamente composta de silêncios ao fim dos quais o menor rangido repercute como um trovão.

Esses filmes de orçamento pouco elevado dão a impressão de luxúria: profusão de sentimentos, de eventos, de lugares, fermentados com uma maestria de velho contador de histórias sob a qual perfura uma inquietude revelada por lampejos, momentos agudos, laceração de um rosto ou de um corpo, que conferem uma dimensão diferente a obras em aparência comparáveis às de Walsh ou de Dwan. Gostaríamos de chamar a atenção para um cineasta quase totalmente desconhecido, cujo pequeno número de filmes que nós tivemos a chance de ver justificam, coisa pouco comum, que para nos aprisionarmos em uma sala escura, deixemos Roma e o sol por um momento.

Notas:

[1] Em Paixão Sangrenta.

[2] Em No Rastro da Bruxa Vermelha.

(La mise en scène comme langage, Éditions Henri Veyrier, 1987, pp. 227-228. Traduzido por Luan Gonsales)

 

VOLTAR AO ÍNDICE

 

 

2014/2015 – Foco